Conexões em SPDA – uso de solda exotérmica.

NBR 5419
5.1.4.2 Conexões
5.1.4.2.1 – O numero de conexões nos condutores do SPDA deve ser reduzido ao mínimo. As conexões devem ser asseguradas por meio de soldagem exotérmica, oxiacetilênica ou elétrica, conectores de pressão ou de compressão, rebites ou parafusos.

O que é aterramento?

Termo empregado no campo de instalações que engloba diversos elementos instalados no solo com a função básica de proteção de seres vivos, edificações e equipamentos e, de assegurar desempenho de sistemas elétricos, eletrônicos, processamento de dados e comunicação, ou seja, elemento que deve estar presente em todo local onde exista atividade humana ou equipamento instalado.

Para que serve o aterramento?

Sua função é dispersar no solo, de maneira segura, as correntes provenientes de descargas atmosféricas, falhas na isolação de equipamentos e operações na instalação.

Quais são os tipos de aterramento?

De acordo com a Norma vigente, a NBR 5410 os esquemas de aterramento, para efeito de proteção, são classificados em:
TN, TT e IT.

O sistema TN tem um ponto diretamente aterrado, sendo as massas ligadas a este ponto através de condutores de proteção. De acordo com a disposição dos condutores, Neutro e de Proteção, este sistema se subdivide em:

– TN-S onde os condutores Neutro (N) e o de Proteção (condutor PE) são distintos.

– TN-C no qual as funções de neutro e de proteção são combinadas em um único condutor (condutor PEN).
Observação: A Norma vigente NBR 5410 da ABNT estabelece que o condutor PEN, não deve ser seccionado.

– TN-C-S quando somente em parte do sistema as funções de Neutro e Proteção são combinadas em um só condutor.

O sistema TT tem um ponto diretamente aterrado, sendo as massas ligadas a eletrodos de aterramento, eletricamente independentes do eletrodo de aterramento da alimentação.

O sistema IT não tem nenhum ponto da alimentação diretamente aterrado, estando as massas aterradas.